Sem categoria

Presente


Sento agora no alto de um edifício de três andares. Atrás de mim a lua se faz crescente.  Encanta-me o anoitecer dessa cidade.  O sol parece gostar muito daqui durante o verão, ele só cai na margem do mundo lá pelas oito e meia da noite. Noite que aqui ainda é dia, engraçado, não? 
A cidade aqui é quieta, ainda mais se comparada à selva de pedra. Existe barulho, claro, mas a ausência daquele som distante, som de gente correndo, essa ausência faz a cabeça ficar mais leve.
Venta agora e o escuro vai tomando conta. Tem um cheiro de páprica doce bem forte, deve vir do bar que fica no primeiro andar desse edifício. Aqui do alto é possível ver as tevês ligadas no jornal nacional. Uma senhora se empenha em olhar pela janela e no outro prédio um homem permanece parado em frente a uma planta. O que ele faz?
Escureceu mais e parece que o vento gostou disso, pois ele passa mais forte por entre meus braços. Risadas de bar podem ser ouvidas. Tem uma árvore que parece dançar com o vento e de repente uma andorinha passa por mim num rasante. Espanto-me e sorrio. A minha direita tem um casal na varanda, não consigo ver mais do que as silhuetas, mas acredito ser um casal mais velho. Conversam. 
O homem ainda está encarando a planta. E no meio de tudo isso, entre outro rasante e as estrelas que brotam do céu, eu estou feliz.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *