Categoria: liberdade

Recent Posts

Noite

Noite, luz de neon entrando pela janela. Lá fora os saxofones gritam como gatos no cio anunciando o coito. Ela tinha um cabelo curto e negro, uma lua minguante tatuada no pescoço e seu corpo nu tingido pelo rosa e azul do neon lá de fora. Sua vagina, lisa, pulsava a cada acorde que entrava pela janela, ela estava úmida.

Ele tinha barba rala e cabelo bagunçado, olhos verdes que pareciam acender como um farol durante as noites quentes de verão. Alguns pelos saltavam de seu peito e o caminho da felicidade findava em sua pica de 22 cm já dura.

Beijaram-se, lamberam-se, sugaram-se. Seus corpos se entrelaçavam e se moviam em uma dança forte e promíscua, passos aos moldes do diabo e com deus olhando entre os dedos. No enrolar e desenrolar dos corpos, a garota mostrava a eficácia de um fio-terra. O garoto urrava enquanto ela sugava seu pau com o dedo em seu rabo, ele involuntariamente rebolava.

A garota tingida de rosa e azul abriu a gaveta pega uma sinta caralho e vestiu. Ele não esperava por isso, mas o tesão naquela momento era tanto ou talvez fosse o vinho que tomaram e que começava a fazer efeito, pois sua única reação foi erguer as pernas em frango assado enquanto dizia um baixo, porém articulado, vem.

Ela lambuzou o cu dele de lubrificante, enquanto enfiava o dedo devagar na intenção de abrir caminho para sua pica de plástico. Pegou-lhe as pernas e meteu enquanto ele a olhava encantado e segurava o grito de dor na garganta. As estocadas começaram devagar e aos poucos já encontravam um ritmo forte e intenso, ele urrava sentindo algo que nunca pensou existir, seu pau estava duro latejava, as veias se erguiam e sua pele inteira arrepiada gorjeava.

À noite, o saxofone, o neon, a pica, o pau, o ritmo, os pelos, o cabelo curto, a lua tatuada, a barba, o deus, o diabo, os seios, os olhos, a cama, o mundo naquele momento gozava e urrava grave.

Beijaram-se úmidos e gozados recuperavam o fôlego enquanto os corpos já pediam mais.


*Texto produzido para a Revista Rosa.

Uma carta para você,


Foto André Medeiros Martins

Eu só queria ver você sorrindo ao olhar pros meus olhos. Ouvir você suspirar palavras marcantes enquanto eu abro o zíper da sua calça e te masturbo como quem toca um instrumento em busca de uma nota única.
Ver suas bochechas rosarem enquanto pego a sua coxa com força e puxo contra a minha.
Sentir teus pelos roçando nos meus enquanto você vira os olhos, morde o lábio e solta um gemido baixo.
Ver sua pele arrepiar enquanto eu beijo sua nuca e meto minha pica entre suas nádegas brancas.
Você se liquefazendo entre meus braços, gemendo, gritando, mordendo. Pedindo mais.
Eu delirando a cada segundo dentro de você. Bombada após bombada, só querendo gozar na sua cara e ver você sorrir.
*Em homenagem a “Cartas Pornográficas de James Joyce”.

Oração

Ave, mesmo que não seja Maria, cheia de bondosa graça
Somos por vós.
Benditas sóis vós, assim como a todas as outras mulheres,
Bendito é o fruto que é de seu direito ter no ventre ou não.
Santa ou Puta Maria,
Mãe, mulher e menina.
Olhai por vós, as peregrinas,
Que se permita ao gozo eterno,
A livre barriga,
A denúncia
E a vida.
Amém!                   

Faces da Liberdade

Foto de Marcelo Souza Almeida
 
Tenho ouvido batalhas, protestos, conflitos e gritos. Tenho visto o povo gritando e se agitando. Percebo a fúria de uma população que se acostumou ao silêncio. Uma panela de pressão pronta para espalhar feijão no teto.
Penso nos motivos e nos discursos, não se trata de liberdades coletivas, mas de liberdades individuais. O povo se agita e grita, pois cansou de negar a si em prol de um coletivo nuclear, que é atribuído de um sentido mágico de segurança.
Nas ruas eles clamam pela liberdade do próprio corpo, de se mostrarem como são por dentro, pela própria libido que lhes foi comprada. Pessoas morrem em nome de suas próprias vontades que são oprimidas por um aparato social precário e antiquado.
Direito ao útero, ao sexo, ao gênero, ao livre pensamento, ao amor livre. Apelos simples de almas que não querem ser regidas pelos pecados de outros.

Cenicitas

Com uma carta de Frederico Garcia Lorca para Salvador Dali o filme se inicia. Apesar de se passar na época de ascenção do surrealismo e o estouro da Guerra Civil Espanhola, o filme adota uma fotografia impressionista, primando pelo jogo de luz no arquétipo, seja esse o corpo dos atores, seja esse o cenário milimétricamente calculado.

Abordando a suposta relação amorosa entre Lorca e Dali, o filme trás um retrato de um movimento que eclodiu por toda Europa. A presença do cineasta Luis Buñuel, parece credibilizar a narração do filme, que toma por personagens seres reais que serviram como ícones de uma revolução não só política como sociocultural.

Com uma trilha sonora marcante e forte, como só poderia se esperar de um filme que remonta as entranhas da Espanha. O Filme é rodado em sua grande parte em Barcelona e é um projeto co-produzido entre o Reino Unido e Espanha.

Impressões


Após entrar em contato com esse filme, que até então é encarado de forma ficcional, me pego a pensar nas obras de Lorca por mim conhecidas. Um texto que sempre me alcançou de forma monocromática, ganha novas nuances. Ao pensar em Dali como fonte de inspiração do poeta e dramaturgo.

Talvez então, a força de seus textos, estejam justamente na cultura que Lorca tanto preservava, talvez essa força, que até então me fugia aos olhos, esteja em sua língua natal, em seu doce vinho espanhol.

“uma vida sem limites” – como menciona Dali no filme.