A Minhoca de Metal

por Leco Vilela
Dentro da minhoca de metal você vê a vida passar e nem se percebe ao mexer, nessa rotina aturdida de todos os dias, nem ouve o som do tilintar dos trilhos.

Sentado diante da janela dos olhos da minhoca, você vê a paisagem se distorcer num ZOOM. As imagens se formam e se dilatam enquanto os olhos piscam. A velocidade nunca cessa.

E nesse ritmo a cada manhã a minhoca come para depois regurgitar cada um de nós, aqueles que não deixam a cidade parar.

4 Comments

  1. E lá dentro, dia e noite, a vida mexendo num balanço frenético por horas e horas que se perdem ou se descobrem.

  2. Anônimo

    Ei, você trabalha no Macu da Adolfo?

  3. O ápice da cidade grande: tanta gente reunida, tão próximas e tão distantes.

  4. Leco, gostei bastante. A descritividade deste texto é deveras impressionante. Parabéns, poeta.

    Abraços do @poemasavulsos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *