Skip to content

O homem da minha vida

Last updated on 20 de outubro de 2016

Este é o titulo que esse excelente filme ganhou para o público brasileiro.
Claramente francês, esse filme trás a tona o sangue que grita nos corações da lingua erótica que se tornou o nosso antigo latim.
Do diretor Zabou Breitman, ator de longa data, que se dedica a direção cinematográfica a partir de 2001, mostra a vida de Fréderic que num verão com sua família conhece Hugo, seu vizinho homossexual assumido, ambos ficam até o amanhecer depois de um jantar farto, a discutir a imperfeição da vida e o amor que imperfeito, faz nos sentirmos mais vivos, ao longo do filme vivem uma paixão que afeta a todos em sua volta. Com uma fotografia de dar inveja, remetendo muitas vezes a um surrealismo, e uma linha de tempo irreverente que vai e volta como uma criança brincando com seu iô-iô, esse filme conquista este humilde espectador pela sua simplecidade e sensibilidade. A Trilha sonora ganha destaque ao passo que se mostra parte integrante do filme e não um objeto externo a ele, vemos os músicos tocando em vários momentos, ouvimos e vemos o som do vento e da água. Se me permitem um parênteses, concerteza um filme sinestésico, em que se é capaz de sentir ao toque da pele coisas etérias como a cortina a balançar pelo vento.


Download do Filme:
Blog Universo da Fênix – l’hommie de sa vie

6 Comments

  1. Depois dessa resenha, com certeza vou alugar esse filme!
    Parece ter uma beleza muito sutil 😉
    beijo e até a facul

  2. Anônimo Anônimo

    Adorei também!!!
    Como consigo a trilha algém sabe?

    Alexandre Augusto

  3. JA VI ESSE FILME… EH MUITO BOM MESMO…
    MUITO LINDO!!!!

  4. Agora eu quero ver!!! @@
    Acho que vou baixar… RÁ
    ^^
    Legal a descrição dele.

  5. Um filme maravilhoso! Diafanidade é a melhor palavra para resumi-lo.

  6. Nossa, esse filme é muito bom. Assisti na sky há uns dois anos e desde então o busco na programação para minha mãe assistir e nada… Quando assisti tive a mesma sensação que tive quando assisti ao "Crazy – Loucos de amor", aquele sentimento de querer colecionar e guardar o filme para sempre, como livro bom, e apresentar aos outros com orgulho de quem coleciona rariadade! Me empolguei!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.